Cilindro de granito de grão fino, bem executado. Fractura vertical que atravessa todo o campo epigráfico. O cipo tem inscrição completa, enchendo a metade superior do miliário, embora a primeira linha, que coincide com o topo, esteja um pouco mutilada. Claros indícios de regravação.

Leitura:
IMP(eratori) CA[e]S(ari) DI[vi Septimi]
SEVERI PII NE[poti divi] ANTONINI PII
MAGNI FILIO [M(arco) Au]RELIO
ANTONIN[o pio fel]ICI AVG(usto)
PONT(ifici) · MA[x(imo) trib(unicia)] POT(estate) · II
CO(n)S(uli) II · PROC(n)[s(uli) p(atri p(atriae)]
FORTISSI[mo]
FELICISSI[moque]
PRINCIPI
A BRACARA
M(ilia) P(assum) III

Tradução:
Ao césar imperador Marco Aurélio Antonino, neto do divino Septimo Severo Pio, filho do divino Antonino Pio; pio, feliz, augusto, pontífice máximo, com o segundo poder tribunício e o segundo consulado, procônsul e pai da pátria, fortíssimo e felicíssimo príncipe. Três milhas desde Bracara Augusta.

Dimensões: Alt. 258 cm / Diâm. 58 cm
Inv. Nº 1992.0671
Localização: Sala 4 - Vias - Miliário 11