As termas do Alto da Cividade, constituem o edifício público melhor conhecido da cidade. Situavam-se na proximidade do forum administrativo e foram construídas, juntamente com um teatro, nos inícios do século II. Ocupavam uma área quadrada de 150 pés de lado que contemplava um edifício rectangular, com salas frias e quentes destinadas aos banhos e áreas de serviços e uma ampla palestra.
As termas tinham entrada a sul, com acesso ao apodyterium de onde era possível aceder ao circuito de banhos (frigidarium, tepidarium, caldarium), bem como à palestra, onde se praticavam exercícios físicos.

As termas sofreram três reformas: uma, entre finais do século II / inícios III, ampliou a área de banhos e redefiniu a circulação; a segunda, em finais do século III / inícios do IV, remodelou profundamente o espaço interno, transformando a anterior zona quente em zona fria, sendo aberta uma nova área quente; finalmente, em meados do século IV, desapareceu a grande palestra, a poente, tendo sido inutilizada a área de serviços norte, local onde se admite ter sido construída uma nova palestra mais pequena.
O abandono do edifício termal terá ocorrido nos inícios do século V.

O teatro que foi construído anexo às termas encontra-se actualmente em estudo.