Até ao momento foram identificadas em Braga seis necrópoles romanas.
A necrópole de Maximinos, utilizada entre os séculos I e III, provavelmente associada à via XX, revelou sepulturas com espólio relativamente pobre.
A necrópole da via XVII, regista uma longa utilização entre o Alto Império e a Alta Idade Média, parecendo ter servido uma população urbana de origem social elevada.
A necrópole de S. Lázaro, junto à via que ligava Braga a Mérida, revelou sepulturas de incineração do Alto Império.
A necrópole do Campo da Vinha, supostamente associada à via XIX, é pouco conhecida, o mesmo acontecendo com a necrópole da Rodovia, junto à saída da via XVI.
A necrópole da Avenida Central, com sepulturas identificadas frente ao Banco de Portugal, estaria ligada à via Nova (via XVIII).
O estudo dos achados das sepulturas e das epígrafes funerárias associadas às necrópoles parece apontar para o facto dos bairros mais pobres se terem localizado na metade ocidental da cidade, enquanto que, na metade oriental, habitavam as elites, com os seus escravos e alguns libertos.