O seu navegador necessita de suporte Javascript para esta funcionalidade. Museu D. Diogo de Sousa - Bracara Augusta - Vias, Morte e Religião
26 de Março de 2017
Utilize as teclas de atalho Alt+2 para navegar para a área de pesquisa do sítio web.
Utilize as teclas de atalho Alt+1 para navegar para a área de conteúdos do sítio web.

Bracara Augusta - Vias, Morte e Religião

Reconstituição de três sepulturas romanas encontradas em Braga, em primeiro plano; ao fundo à esquerda, sete estelas funerárias em granito também de época romana.Neste último espaço expositivo abordam-se três grandes temas – as vias que ligavam Bracara Augusta às restantes cidades do Império romano, a distribuição das necrópoles na cidade e os testemunhos da relação dos seus habitantes com as várias divindades.

Na época romana, o espaço dos mortos era fora da cidade, ou do mundo dos vivos. Os cemitérios localizavam-se normalmente junto às vias de saída das cidades.
Algumas das peças encontradas em sepulturas estão associadas a epígrafes funerárias. A análise do conjunto destes materiais é muito interessante, sob o ponto de vista da organização social da cidade.
Da relação dos homens com as divindades ficaram testemunhos epigráficos de grande significado e elaborada expressão estética.
Finalmente encontram-se alguns vestígios associados ao período paleocristão e concretamente a réplica do Sarcófago de S. Martinho de Dume.

  • Miliários romanos em granito, provenientes de várias vias em redor de Braga.
    A densa e bem articulada rede de estradas e caminhos que cruzavam o território administrativo de Bracara Augusta ajuda-nos a compreender a eficácia da organização desta região, desde o início da romanização.
  • Sete estelas funerárias romanas em granito, duas delas muito fragmentadas.
    As necrópoles romanas situavam-se fora da área urbana, normalmente junto às vias de saída da cidade. O seu estudo revela-se muito importante para identificar os rituais funerários e também a composição da população, uma vez que o espólio das sepulturas e as inscrições funerárias fornecem elementos relativos ao estatuto social dos mortos.
  • Quatro aras votivas romanas em granito, e vista parcial da réplica de uma epígrafe dedicada a Ísis.
    Testemunhos da relação dos habitantes de Bracara Augusta com o mundo do sagrado são, entre outros, as ofertas (ex-votos) com inscrições gravadas no granito da região.
  • Vista parcial do Túmulo de S. Martinho de Dume, cuja réplica se encontra em exposição.
    Os séculos V, VI e VII corresponderam ao domínio suevo-visigótico e constituem um importante contributo, para a compreensão do nascimento dos reinos cristãos alto-medievais, no Noroeste peninsular.
  • Recomende este sítio web