TOGA
A toga era uma das peças mais simbólicas da indumentária romana. Só podia ser usada por cidadãos romanos, pelo que se converteu num símbolo nacional.
Todos os cidadãos que nasciam livres usavam toga. Inicialmente usada tanto pelos homens como pelas mulheres, passou mais tarde a ser usada unicamente pelos homens.
Em ocasião de triunfo, o general vencedor subia ao Capitólio coberto com uma toga bordada, a “toga picta”, inteiramente púrpura, como a que revestia o Deus Júpiter Capitolino.
Esta peça sofreu grande evolução ao longo da história de Roma. De retangular passou a semicircular, e o tamanho aumentou desmesuradamente, chegando a atingir cerca de 6 m no lado reto e 2 m de largura.
As cores e os ornamentos variavam de acordo com as idades, cargos e funções, mas a sua forma era idêntica para todos.
Habitualmente, era de lã branca, mas, por vezes, numa família em luto, ou quando um parente ou amigo era acusado de crime capital, os homens cobriam-se com uma toga de cor escura, negra, a maior parte das vezes.
Era difícil de envergar, de cuidar, e de usar. Vesti-la exigia tempo e paciência, para que as pregas caíssem adequadamente. O uso dessa peça de vestuário restringiu-se rapidamente ao desempenho de funções oficiais e às cerimónias ou espetáculos públicos.