A visita inicia-se no corredor de entrada, com uma mostra gráfica sobre a história do Museu e da arqueologia em Braga.

Seguem-se quatro salas de exposição:

Interior da Sala da Pré e Proto-história, com núcleo do Paleolítico à esquerda e da Idade do Ferro à direita.Na sala 1 com colecções cronologicamente compreendiddas entre o Paleolítico e a Idade do Ferro.

Na sala 2 abordam-se as questões inerentes à intregração de Bracara Augusta no Império romano, ou seja, em que medida o comércio e o contacto com as inovações tecnológicas influenciaram o desenvolvimento da economia local.

Na sala 3 pode tomar-se contacto com aspectos relacionados com o desenvolvimento do projecto de arqueologia urbana, em curso, respeitantes à organização do espaço público e doméstico em Bracara Augusta.

Na sala 4, são apresentados testemunhos alusivos às ligações viárias de Bracara Augusta, às necrópoles que se situavam na sua proximidade para além de alguns achados associados à religiosidade, no período romano e paleocristão.

Vitrine do corredor de saída da Exposição Permanente e acesso à loja do Museu.O corredor de saída da exposição permanente constitui uma breve evocação da cidade, como repositório do Tempo, onde se expõem peças arqueológicas encontradas em Braga, com cronologia desde finais séc. XIII – inícios XIV até à actualidade.

Aspecto de uma visita de grupo à área das ruínas romans com mosaico.A cave do bloco de serviços "o espaço-cripta" conserva vestígios “in situ”, de uma habitação da época romana com um mosaico